Pular para o conteúdo Vá para o rodapé

DOSSIÊ – ADUFC lança livro sobre intervenção na UFC em ato simbólico em defesa da memória e autonomia universitárias

O lançamento contou com exposição fotográfica reunindo registros históricos feitos pela ADUFC nos últimos quatro anos (Fotos: Nah Jereissati/ADUFC)

Após quatro anos de luta sem trégua em defesa da democracia, a ADUFC lançou ontem (31) o livro “Intervenção na Universidade Federal do Ceará (2019-2023): Autoritarismo e Resistência”, um dossiê de autoria do sindicato que sistematiza os principais fatos desse período vivenciado pela comunidade acadêmica. Prestigiaram o momento integrantes das três últimas diretorias da ADUFC, que atravessaram esse momento de intervencionismo na UFC, professores/as, estudantes, técnico-administrativos. Também fizeram falas na ocasião as estudantes Dandahra Cavalcante (UFC) e Sarah Rodrigues (IFCE); Cássia Araújo (TAE), representando o SINTUFCE; e, ao final, o reitor Custódio Almeida, que estava presente no lançamento. O evento contou com exposição fotográfica reunindo registros históricos feitos pela ADUFC que simbolizam a resistência da comunidade da UFC nos últimos quatro anos.

A publicação reúne um compilado de textos produzidos pela ADUFC entre 2019 e 2023 para denunciar à sociedade e aos órgãos competentes os sucessivos atos antidemocráticos e ilegítimos da última reitoria da UFC. São notícias, séries especiais de reportagens, notas de repúdio e textos de opinião que desenham essa fase nefasta na universidade. “Foi muita luta, nós aprendemos sentindo na própria carne por que a autonomia e a gestão democrática são princípios fundamentais”, destacou a presidenta da ADUFC, Profª. Irenísia Oliveira, que vivenciou os quatro anos de intervenção na Universidade atuando na Diretoria do Sindicato – ela foi vice-presidente nas duas gestões passadas, de 2019 a 2023. “Nós sabíamos que contra o fascismo não há diálogo, a luta é sem trégua. E nunca recuamos. Para nós, a intervenção nunca se naturalizou”, acrescentou.

Presidente da ADUFC no quadriênio 2019-2023, o Prof. Bruno Rocha, atual pró-reitor de Assistência Estudantil, fez um resgate da luta histórica do Sindicato contra a investida bolsonarista na universidade desde o dia 1 de intervenção, quando o interventor foi recebido com um grande ato seguido de ocupação da reitoria. O docente também demarcou a decisão política da ADUFC de compreender o papel na luta política de uma comunicação sindical democrática e popular fortalecida. “Isso possibilitou que as nossas vozes denunciando a intervenção chegassem a toda a sociedade, aos jornais, dentro e fora da universidade”, destacou.

Para o reitor Custódio Almeida, a ADUFC firmou-se como polo de resistência contra o intervencionismo na UFC e se consolidou como “a instituição mais resistente ao bolsonarismo no Ceará”. Também reforçou a importância da publicação recém-lançada pelo Sindicato para a preservação da memória da universidade e como ponto de atenção para a defesa permanente da democracia. “Que esse livro seja o mote para que a gente continue resistindo e brigando para que todo preconceito vá embora. Temos um trabalho muito grande de inclusão para fazer daqui pra frente”, disse. Ele ainda reconheceu o Sindicato como espaço de acolhimento aos estudantes, fortemente perseguidos pela última reitoria.

Na avaliação da Profª. Irenísia Oliveira, este é um momento pedagógico na própria história do Sindicato. Ela lembrou de algumas gestões da ADUFC anteriores à intervenção que erraram ao se tornar um “anexo da reitoria”. O extremo oposto, a perseguição da qual a entidade foi vítima por parte da administração superior passada, também ficou para trás com a posse de um reitor eleito democraticamente. “Agora temos a chance de estabelecer uma relação exemplar, pela primeira vez, entre sindicato e universidade (reitoria)”, pontuou.

Exemplares do livro “Intervenção na Universidade Federal do Ceará (2019-2023): Autoritarismo e Resistência” foram distribuídos gratuitamente durante o lançamento e enviados para bibliotecas, sindicatos, universidades e movimentos sociais que atuaram juntamente com a ADUFC no combate à intervenção federal.

MEMÓRIA – Em agosto de 2019, Jair Bolsonaro, ex-presidente da República, impôs uma intervenção federal na UFC ao nomear José Cândido Lustosa Bittencourt de Albuquerque para a reitoria à revelia da vontade da comunidade universitária –  ele obteve apenas 4,6% dos votos na consulta. O reitor eleito naquele ano, Custódio Almeida, conquistou 56,4% dos votos e a inequívoca indicação dos três segmentos (professores, técnico-administrativos e estudantes), mas foi preterido sem qualquer justificativa. Cândido e outros interventores nomeados por Bolsonaro representaram um legado grotesco das piores gestões do Ministério da Educação (MEC) para as universidades públicas.

Deixe um comentário

Sindicato dos Docentes das Universidades Federais do Estado do Ceará

Av. da Universidade, 2346 – Benfica – Fortaleza/CE
E-mail: secretaria@adufc.org.br | Telefone: (85) 3066-1818

© 2024. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por: Web-az

© 2024 Kicker. All Rights Reserved.

Sign Up to Our Newsletter

Be the first to know the latest updates

[yikes-mailchimp form="1"]